You are currently viewing Primeiras imagens coloridas do Telescópio James Webb serão apresentadas pela Nasa

Primeiras imagens coloridas do Telescópio James Webb serão apresentadas pela Nasa

Uma delas, ainda não especificada, será apresentada nesta segunda-feira (11) pelo presidente dos EUA, Joe Biden – James Webb

James Webb

Afastando as cortinas para uma galeria de fotos diferente de qualquer outra, a Nasa apresentará em breve as primeiras imagens coloridas de seu Telescópio Espacial James Webb, um aparelho revolucionário projetado para perscrutar o cosmos até o alvorecer do universo.

A tão esperada revelação desta semana de fotos e dados espectroscópicos do observatório recém-operacional segue um processo de seis meses de desdobramento remoto de vários componentes, alinhamento de seus espelhos e instrumentos de calibração.

Com o Webb agora bem ajustado e totalmente focado, os astrônomos embarcarão em uma lista competitivamente selecionada de projetos científicos que exploram a evolução das galáxias, os ciclos de vida das estrelas, as atmosferas de exoplanetas distantes e as luas do nosso Sistema Solar externo.

Espera-se que o primeiro lote de fotos, que levou semanas para serem processadas a partir de dados brutos do telescópio, ofereça um vislumbre convincente do que Webb irá capturar nas missões científicas que estão por vir.

Nasa publicou na sexta-feira (8) uma lista dos cinco objetos celestes escolhidos para a estreia do Webb, construído para a agência espacial dos EUA pela gigante aeroespacial Northrop Grumman Corp.

Entre elas estão duas nebulosas — enormes nuvens de gás e poeira lançadas no espaço por explosões estelares que formam berçários para novas estrelas — e dois conjuntos de aglomerados de galáxias.

Um deles, de acordo com a Nasa, apresenta objetos em primeiro plano tão massivos que agem como “lentes gravitacionais”, uma distorção visual do espaço que amplia muito a luz que vem de trás deles para expor objetos ainda mais fracos mais distantes e mais para trás no tempo. . Quão longe e o que apareceu na câmera continua a ser visto.

A Nasa também apresentará a primeira análise espectrográfica de Webb de um exoplaneta — com aproximadamente metade da massa de Júpiter que fica a mais de 1.100 anos-luz de distância — revelando as assinaturas moleculares da luz filtrada que passa por sua atmosfera.

‘Me comoveu como cientista, como ser humano’

Todos os cinco alvos introdutórios do Webb já eram conhecidos pelos cientistas. Um deles, o grupo de galáxias a 290 milhões de anos-luz da Terra conhecido como Quinteto de Stephan, foi descoberto pela primeira vez em 1877.

Mas os funcionários da Nasa prometem que as imagens do Webbs capturam seus assuntos sob uma luz inteiramente nova, literalmente.

“O que vi me comoveu como cientista, como engenheiro e como ser humano”, disse o vice-administrador da Nasa, Pam Melroy, que revisou as imagens, a repórteres durante uma coletiva de imprensa em 29 de junho.

Uma imagem não especificada da coleção será revelada na noite desta segunda-feira (11) pelo presidente dos EUA, Joe Biden, em uma reunião na Casa Branca com o chefe da Nasa, Bill Nelson, disse a agência espacial no domingo (10).

O restante será lançado conforme programado anteriormente em uma transmissão ao vivo e webcast na terça-feira do Goddard Space Flight Center da Nasa em Greenbelt, Maryland, pela NASA e seus colaboradores das agências espaciais europeias e canadenses.

telescópio infravermelho de US$ 9 bilhões, o maior e mais complexo observatório astronômico já enviado ao espaço, foi lançado no dia de Natal da Guiana Francesa, na costa nordeste da América do Sul.

Um mês depois, o instrumento de 6.350 quilos alcançou seu local de estacionamento gravitacional na órbita solar, circulando o sol em conjunto com a Terra a cerca de 1,6 milhão quilômetros de casa.

O Webb, que vê seus objetos principalmente no espectro infravermelho, é cerca de 100 vezes mais sensível do que seu antecessor de 30 anos, o Telescópio Espacial Hubble, que orbita a Terra a 547 quilômetros de distância e opera principalmente nas áreas óptica e ultravioleta.

A maior superfície de coleta de luz do espelho primário de Webb — uma matriz de 18 segmentos hexagonais de metal de berílio revestido de ouro — permite observar objetos a distâncias maiores, portanto, mais atrás no tempo, do que o Hubble ou qualquer outro telescópio.

Sua sensibilidade ao infravermelho permite detectar fontes de luz que de outra forma estariam escondidas no espectro visível por poeira e gás.

Em conjunto, espera-se que essas características transformem a astronomia, fornecendo o primeiro vislumbre de galáxias infantis datadas de apenas 100 milhões de anos após o Big Bang, o ponto de fulgor teórico que colocou em movimento a expansão do universo conhecido há cerca de 13,8 bilhões de anos.

Led Russo

Os instrumentos do Webb também o tornam ideal para procurar sinais de atmosferas potencialmente vitais em torno de dezenas de pllanetas recém-documentados orbitando estrelas distantes e observar mundos muito mais próximos de casa, como Marte e a lua gelada de Saturno, Titã.

Além de uma série de estudos já alinhados para o Webb, as descobertas mais revolucionárias do telescópio podem vir a ser aquelas que ainda não foram antecipadas.

Tal foi o caso da surpreendente descoberta do Hubble, através de observações de supernovas distantes, de que a expansão do universo está se acelerando, em vez de desacelerar, abrindo um novo campo da astrofísica dedicado a um fenômeno misterioso que os cientistas chamam de energia escura.

Fonte: CNN Brasil

Deixe um comentário