You are currently viewing Depois de ser rejeitado em diversos empregos, adolescente com autismo cria seu próprio negócio

Depois de ser rejeitado em diversos empregos, adolescente com autismo cria seu próprio negócio

O protagonista desta história de perseverança é Clay Lewis, um jovem australiano com autismo, que desde os 15 anos começou a se candidatar a vários empregos para trabalhar depois da escola e, embora infelizmente tenha sido rejeitado em todos, não o fez desistam de abrir suas próprias portas.

Apesar de ter lutado para conseguir um emprego como seus colegas, ele nunca foi chamado. Laura Lewis, a mãe de Clay, comentou em uma entrevista ao CTV News que “os empregadores foram incapazes de ver além de seus preconceitos e fizeram suposições injustas sobre a competência de Clay devido à sua deficiência”. De sua parte, Clay mencionou: “Procurei e me candidatei a empregos por dois anos e não consegui uma entrevista.”

Apesar das recusas, Clay estava determinado a trabalhar, por isso após 2 anos de tentativas, aos 17 anos criou o seu próprio negócio, que chamou de ‘Clay’s Bin Cleaning’, com o qual se encarrega de limpar as latas de lixo dos seus vizinhos e cobra AU US $ 10 para cada contêiner, usando produtos biodegradáveis ​​e livres de tóxicos.

Desta forma, em poucos meses, Clay cresceu seu negócio, obteve cerca de 70 clientes, contratou mais duas pessoas para ajudá-lo em seu trabalho devido à alta demanda e obteve lucros de mais de $ 6.000 dólares australianos.

Em uma entrevista ao jornal Daily Mail do Reino Unido, Laura comentou que tem muito orgulho de seu filho e que tanto ela quanto sua família sempre o apoiaram em seus esforços porque queriam que ele aprendesse sobre a ética do valor e mencionou que “Infelizmente, algumas pessoas apenas veem uma deficiência, em vez de se concentrar na capacidade. Meu marido, Warren, e eu aprendemos a não colocar limitações em Clay porque ele sempre as supera.”

Por fim, o jovem comentou que ao terminar o ensino médio espera crescer ainda mais com o empreendedorismo e quer fazer uma viagem a Dubai para ver corridas de Fórmula 1, da qual é fã de longa data.

Fonte: Psicologias do Brasil

Deixe um comentário